Editora | Publisher
Cart 0

Existem quatro tipos de bêbados, de acordo com Ciência. Ora leia!

The Book Hut editores

É a Mary Poppins or Hemingway?

Sabe que quando você sai com seus amigos para um bar, e beberam a mesma quantidade e um amigo ri-se descontroladamente, outro conta uma história hilariante a um grupo de estranhos, o terceiro procura brigar com o segurança, e outro conversa com o barman sem notar nada do que o rodeia. Já se intrigou alguma vez porque isso acontece?

A Ciência tem a resposta. Os pesquisadores de psicologia da Universidade de Missouri, em Columbia publicaram um estudo na revista" Addiction Research & Theory" no qual tentam explicar de maneira cientifica de que há distintos tipos de reagir ao álcool e chegaram a uma conclusão lógica e com base cientifica. O estudo, que envolveu 374 alunos de uma grande universidade do Meio-Oeste, usou a literatura e cultura pop para definir a conclusão a que chegaram de que existem quatro tipos de bêbados: a Mary Poppins, o Ernest Hemingway, o Professor louco e o Sr. Hyde.

 

O primeiro e maior grupo - cerca de 40% - o Ernest Hemingway. Assim nomeado pois o escritor notoriamente se gabou de que ele  "bebia infernos de qualquer quantidade de uísque sem ficar bêbado", Hemingways não apresentam quaisquer grandes mudanças na personalidade quando transitam de sóbrio a bêbedo, assim indica o estudo.

 

 

Em contraste, os tipo de bêbado Mary Poppins seguem a, praticamente perfeita em todos os sentido,  descrição que Poppins concede a si mesma no filme 1964: eles já são extrovertidos naturalmente e o álcool deixa-os ainda mais felizes e contentes.

 


Depois disso têm os Professores loucos , assim identificado em prol do académico, quimicamente alterado com uma segunda personalidade imortalizado por Eddie Murphy. Estes, diz o estudo, são introvertidos naturais que largam as suas inibições com especial vigor quando bebem, mostrando um lado mais altivo e mais social.

 



E, finalmente, há os Sr. Hydes: os bêbados que soltam o gémeo mau,  que são, de acordo com o estudo, particularmente menos responsáveis, menos intelectuais e mais hostis quando estão sob a influência de álcool.

Os autores do estudo esperam usar essas categorias,  para poder aconselhar o comportamento adequado aos determinados tipos de personalidade quando forem necessárias futuras intervenções a pessoas alcoolizadas . Enquanto isso, você pode usar este estudo para fazer apostas sobre quantas cervejas o seu amigo Nutty Professor irá beber para ter ter a coragem de falar com a morena da mesa ao lado.

 

Excerto extraído da revista TIME, traduzido por Rosália Lemos para The book Hut



Older Post Newer Post